HPV no homem: saiba mais sobre o assunto - Clínica Alfamen

Por favor, selecione a unidade mais próxima de você.

Cadastre e receba dicas sobre saúde sexual

HPV no homem: saiba mais sobre o assunto

O HPV – Papilomavírus humano – é uma sigla amplamente conhecida entre as mulheres por ser frequentemente relacionada ao câncer de colo de útero. No entanto, essa doença sexualmente transmissível, que é considerada a de maior incidência no planeta, também atinge os homens. O perigo é que, muitas vezes, os representantes do sexo masculino nem sempre apresentam sintomas que possam ser vistos a olho nu.

Transmissão

O fato de não apresentar nenhum indício de que está infectado pelo vírus, não quer dizer que o homem não pode transmiti-lo: ele pode passar o HPV para seus parceiros sexuais por meio do contato íntimo. Por isso, usar preservativo durante o sexo vaginal, oral ou anal é fundamental. A principal via de transmissão do HPV é sexual. Existe ainda, no caso das mulheres, a possibilidade de transmissão vertical, da mãe para o feto durante a gravidez ou para o recém-nascido por meio do canal de parto. Também não pode ser descartada a autoinoculação, que acontece quando a pessoa contamina seu órgão genital ao encostar em lesões em outra área do corpo, e a inoculação, que ocorro pode meio de contato com toalhas e outros objetos que contenham o vírus.

Sintomas

Apesar de nem sempre o homem apresentar sintomas de que está infectado pelo HPV, há casos em que, a olho nu, há indícios da infecção pelo vírus. O principal sintoma do HPV no homem são verrugas que surgem no pênis, ânus, escroto e, até mesmo, na boca e na garganta. Pelo fato do aparecimento de sintomas serem raros, para diagnosticar o HPV, é essencial que o homem faça uma visita ao urologista e realize exames como a colposcopia.

Tratamento

Ao identificar a infecção pelo HPV, é importante não perder tempo e começar o tratamento, pois o vírus pode favorecer o desenvolvimento de doenças como câncer de pênis, garganta e ânus. Além disso, há a chance de infectar também os parceiros sexuais. O tratamento, que deve ser recomendado por um médico, tem a duração média de dois anos e pode incluir a aplicação de pomadas e até mesmo cirurgia. É importante ter em mente que o HPV não tem cura, com exceção de casos específicos, como você verá abaixo, então todas as soluções são voltadas para tratar os sintomas e eliminar lesões na pele causadas pelo vírus.

Remissão espontânea

Quando o HPV é descoberto pelo homem em um exame de rotina, é possível que o médico opte por não realizar nenhum tratamento. Isso acontece porque, em alguns casos, o HPV cura-se sozinho. Isso é possível apenas quando o sistema imune é capaz de combater o vírus. Por isso, nem todos podem ter a cura espontânea do HPV.

Por mais que não você não apresente sintomas, pode estar abrigando o vírus do HPV. Para não correr o risco de infectar seus parceiros sexuais é importante fazer os exames necessários para identificar o vírus e só manter relações sexuais com o uso de preservativos. Assim, você se protege e, também, seus parceiros. Caso identifique algum sintoma, não deixe de buscar ajuda médica o mais rápido possível.

Tem alguma dúvida sobre o assunto? Poste aqui abaixo que iremos esclarecê-la!



Por favor, selecione a unidade mais próxima de você.